Início do cabeçalho do portal da UFERSA

Imagens do Semiárido

Descrição de áreas nativas e manejadas.

Córrego do sal/Lagoa da Ariza

A comunidade Córrego do Sal está localizada próximo ao distrito de Manibu. Há anos possuía salina, onde o sal era transportado para o mercado do Rio Grande do Norte. Em 1942 teve a sua última produção de Sal, dai o nome Córrego do Sal.
Com o desaparecimento das salinas, esta que era a principal atividade econômica, os seus moradores se deslocaram para as atividades da pesca, agricultura e desmancha nas casas de farinha das comunidades vizinhas. Em seguida aconteceram algumas secas e a população foi obrigada a comer apenas xique-xique, peixe e feijão por falta de alternativas.
Lagoa da Ariza
Lagoa da Ariza
Pouco depois o rio da comunidade começa a trazer frutos, principalmente a produção de tilápias, um peixe que na época era bastante comercializado e trouxe um pouco mais de esperança. Atualmente a comunidade vive economicamente da agricultura, pesca e algumas iniciativas ligada ao turismo.
O córrego do sal se inicia quando se aproxima do mar e onde tem alguns evaporadores de salinas.
Córrego do sal

Barragem Oiticica – Jucurutu

A barragem de Oiticica trata-se de um grande reservatório de água com a finalidade de promover o abastecimento de água e a irrigação de culturas agrícolas do Seridó, bem como auxiliar na contenção de enchentes da região do Vale do Açú. A Barragem de Oiticica tem capacidade de acumulação de 556 milhões de metros cúbicos e será o terceiro maior reservatório do Estado.
A Barragem de Oiticica beneficiará diretamente meio milhão de potiguares de 17 municípios das regiões Central, Seridó e Vale do Açu, e está sendo construída sobre o rio Piranhas-Açu, entre os municípios de Caicó e Jucurutu.
O reservatório será a redenção hídrica para os cidadãos desta região, que terão segurança hídrica, oportunidades de irrigação e um alento para que o homem do campo, assim como o povo da região, possa conviver com a seca.

Barragem de Umari – Upanema

A Barragem Jessé Pinto Freire, popularmente conhecida como Barragem de Umari, é a maior da América Latina em extensão. Iniciada em 1998, teve a sua obra concluída em 2002, num investimento do governo de R$ 78 milhões. A grandiosidade da obra pode ser medida pelo paredão de mais de dois quilômetros, o maior da América Latina. Tem capacidade para 292 milhões de m³, com uma vasão de 2 mim m³ por segundo. A sua represa atinge um raio de 18 km.
A barragem Umari tem por finalidade promover o desenvolvimento da agricultura irrigada em área aproximada de 3.000 ha., dar suporte a atividade agropecuária e desenvolver, de forma racional, a produção de pescado em sua represa, beneficiando cerca de 25.492 habitantes.

 

Canal de irrigação do Apodi

O canal de irrigação da Chapada do Apodi levará água da barragem de Santa Cruz para favorecer o abastecimento e a agricultura na região. A obra com 20 km de extensão vai até a divisa com o estado do Ceará. Com recursos do Governo Federal, o serviço está incluído no pacote destinado pelo PAC-Seca.
A Chapada do Apodi é uma formação montanhosa brasileira localizada na divisa entre os estados do Rio Grande do Norte e do Ceará. No estado do Rio Grande do Norte está distribuída em quatro municípios: Apodi, Braúna, Felipe Guerra e Governador Dix-Sept Rosado. No estado do Ceará está distribuída por cinco municípios: Alto Santo, Jaguaruana, Limoeiro do Norte, Quixeré e Tabuleiro do Norte. A chapada funciona como divisor de águas entre as bacias hidrográficas dos rios Apodi e Jaguaribe.
O sistema hidráulico do Projeto de Irrigação Santa Cruz do Apodi tem como manancial de abastecimento o rio Apodi, que possui vazão regularizada pela Barragem Santa Cruz, localizada em Apodi. A captação da água será feita no rio Apodi, entre as localidades de Apodi e Felipe Guerra, a jusante da barragem. A obra, para execução nos municípios de Apodi e Felipe Guerra, conta com orçamento de R$ 242.791.595,13.
Canal de irrigação do Apodi
Canal de irrigação do Apodi
O projeto é criticado por produtores rurais e membros da Comissão Pastoral da Terra (CPT) da Igreja Católica. Segundo os críticos, as famílias que tiveram imóveis desapropriados para dar espaço ao perímetro não foram atendidas adequadamente e, além disso, o novo equipamento vai inviabilizar a produção agroecológica que é desenvolvida por agricultores familiares.
Canal de irrigação do Apodi
Um sistema de captação e recalque composto por uma barragem de elevação do nível da água, um canal de chamada e uma elevatória com nove conjuntos moto-bombas, seguida de três adutoras foram dimensionados para elevação de uma vazão de seis metros cúbicos por segundo.
Um canal de adução principal se desenvolverá na chapada. Canais secundários derivarão do canal principal, dominando cotas inferiores da chapada e alimentando outros canais de ordem terciária. A partir dos canais distribuidores de água, serão derivadas tomadas d’água para os 455 lotes agrícolas que compõem o perímetro, distribuídos entre pequenos produtores, técnicos agrícolas, engenheiros agrônomos e empresários.
Canal de irrigação do Apodi
Com comprimento de 14.611 m, o canal principal possui capacidade de vazão de 6,97 m³/s nos primeiros 6,0 km e 3,73 m³/s no restante, correspondente ao domínio de 2.193 ha nos 8,6 km restantes. Revestido em concreto simples, com espessura variando de 6 a 7 cm, contém ao longo de sua extensão, 14 tomadas d’água, 8 extravasores, 8 estruturas de controle automático de nível à jusante, 8 travessias rodoviárias e 3 passarelas sobre o canal.
16 de novembro de 2015. Visualizações: 1134. Última modificação: 17/12/2015 16:10:11